Exercícios sobre Carlos Drummond de Andrade, com respostas

Página Inicial

Exercícios de literatura sobre Carlos Drummond de Andrade, com respostas e gabarito. Significado, frases e contextualização. Sugeridos para aulas de literatura brasileira para o ensino médio.

Exercícios
by Pixabay

Exercícios sobre o poema Mãos Dadas de Carlos Drummond.


Leia o poema de Carlos Drummond de Andrade e responda


MÃOS DADAS


Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.
Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente.

1) Além da função poética que permeia todo o texto, que outra
função da linguagem nele predomina?

Emotiva ou expressiva

2) Explique o sentido das palavras sublinhadas.

Caduco: Ultrapassado, fora de moda, etc
Raptado:Abduzido

3) No seu entendimento qual é o tema central do texto?


Poema “No meio do caminho”, de Carlos Drummond de Andrade


O poema “No meio do caminho”, de Carlos Drummond de Andrade, foi publicado no início do século XX e ainda hoje causa espanto e curiosidade no leitor.

Leia-o, atentamente, para responder às questões propostas.
No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
Tinha uma pedra
No meio do caminho tinha uma pedra.
Nunca me esquecerei desse acontecimento
Na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
Tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
No meio do caminho tinha uma pedra.
(Carlos Drummond de Andrade)

5) (Prof.Lit.PatisMG) Sobre o poema drummondiano, é INCORRETA a alternativa
XA) A literariedade do texto é justificada pela ausência de rimas.
B) As repetições conferem ao poema uma ideia de monotonia.
C) O substantivo “pedra” pode assumir várias significações.
D) O poema apresenta certo grau de humor sobre os acontecimentos.


Leia a 1ª estrofe do poema.

No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
Tinha uma pedra
No meio do caminho tinha uma pedra.

6) A partir da leitura, assinale a alternativa INCORRETA.
A) A linguagem coloquial dos versos reforça o tema do poema, que enfatiza o cotidiano.
XB) O sujeito lírico representa, no poema, sua capacidade de superar situações difíceis.
C) A repetição demonstra que o eu lírico se encontra diante de um obstáculo ou problema.
D) O uso do ver “ter” no lugar do “haver” demonstra que o eu lírico se identifica com problemas do homem comum.


7) Os versos abaixo são os primeiros da segunda estrofe do poema “No meio do caminho”, de Drummond.
Leia-os com atenção.
Nunca me esquecerei desse acontecimento Na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Assinale a alternativa CORRETA.
A) O substantivo “retinas” está usado em sentido contrário ao do dicionário.
B) O substantivo “acontecimento” refere-se a uma perda amorosa.
XC) Os versos identificam um sentimento de desânimo do eu poético.
D) O adjetivo “fatigadas” induz à conclusão de que há esperança para o poeta


AO DEUS KOM UNIK ASSÃO


Carlos Drummond de Andrade Eis-me prostrado a vossos peses que sendo tantos todo plural é pouco.
Deglutindo gratamente vossas fezes vai se tornando são quem era louco.
(...)
Se komuniko
que amorico
me centimultiplico
scotch no bico
paparico
rio rico
salpico
de prazer meu penico
em vosso honor, ó Deus komunikão.
Farto de komunikar
Na pequenina taba
subo ao céu em foguete
até a prima solidão
levando o som
a cor, o pavilhão da komunikânsia
interplanetária interpatetal.
(...)
Senhor! Senhor!
Quem vos salvará
de vossa própria, de vossa terríbil
estremendona
inkomunikhassão?

A respeito do poema de Drummond, analise as proposições:
I. Kom Unik Assão é um caso de neologismo alogenético.
II. No poema, a desagregação vocabular é um procedimento constitutivo de efeitos de sentido.
III. O poeta cria o plural inusitado “peses” a fim de rimar com “fezes”.
IV. As grafias inusitadas são propositais e visam ao estranhamento.
Está CORRETO o que se afirma em
A) I e II, apenas.
B) I e III, apenas.
C) II e III, apenas.
X D) II e IV, apenas.


Leia também

Exercícios sobre autores do romantismo com respostas

Exercícios sobre o autor João de Barro (Braguinha)


.



Clique no ícone abaixo e compartilhe esta postagem em suas Redes Sociais!

Comentários