terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Poema Tulipa Real, de Cruz e Sousa


Poema Tulipa Real, de Cruz e Sousa. Seus poemas são marcados pela musicalidade (uso constante de aliterações), pelo individualismo, pelo sensualismo, às vezes pelo desespero, às vezes pelo apaziguamento, além de uma obsessão pela cor branca (Wikipedia) 
Poema Tulipa Real, de Cruz e Sousa




TULIPA REAL


 Carne opulenta, majestosa, fina,
 Do sol gerada nos febris carinhos,
 Há músicas, há cânticos, há vinhos
 Na tua estranha boca sulferina.

 A forma delicada e alabastrina
 Do teu corpo de límpidos arminhos
 Tem a frescura virginal dos linhos
 E da neve polar e cristalina.

 Deslumbramento de luxúria e gozo,
 Vem dessa carne o travo aciduloso
 De um fruto aberto aos tropicais mormaços.

 Teu coração lembra a orgia dos triclínios...
 E os reis dormem bizarros e sanguíneos
 Na seda branca e pulcra dos teus braços. 


Cruz e Sousa
Broquéis


Por Literatura em Série

Veja também:


Compartilhe nas Redes Sociais!
compartilhe compartilhe compartilhe compartilhe


Observação:
Ressalvados os casos indicados ao contrário, as obras aqui publicadas tem como fonte material em Domínio Público, sendo obras livres em razão de alguma das hipóteses previstas na Lei de Direitos Autorais Lei Federal nº 9.610/98. Busca-se preservar ao máximo a grafia original. Para mais informações confira os Termos de Uso.


Blog especializado em Literatura com fins educativos. Principais temas abordados: literatura universal, literatura nacional, escritores, poemas literarios, livros e autores da literatura brasileira. Sugerido para elaboração de resumo e resenha.

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.