terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Poema Vesperal, de Cruz e Sousa

Poema Vesperal, de Cruz e Sousa. Seus poemas são marcados pela musicalidade (uso constante de aliterações), pelo individualismo, pelo sensualismo, às vezes pelo desespero, às vezes pelo apaziguamento, além de uma obsessão pela cor branca (Wikipedia)

Poema Vesperal, de Cruz e Sousa



VESPERAL


 Tardes de ouro para harpas dedilhadas
 Por sacras solenidades
 De catedrais em pompa, iluminadas
 Com rituais majestades.

 Tardes para quebrantos e surdinas
 E salmos virgens e cantos
 De vozes celestiais, de vozes finas
 De surdinas e quebrantos...

 Quando através de altas vidraçarias
 De estilos góticos, graves,
 O sol, no poente, abre tapeçarias,
 Resplandecendo nas naves...

 Tardes augustas, bíblicas, serenas,
 Com silêncio de ascetérios
 E aromas leves, castos, de açucenas
 Nos claros ares sidéreos...

 Tardes de campos repousados, quietos,
 Nos longes emocionantes... 
 De rebanhos saudosos, de secretos
 Desejos vagos, errantes...

 Ó Tardes de Beethoven, de sonatas,
 De um sentimento aéreo e velho...
 Tardes da antiga limpidez das pratas,
 De Epístolas do Evangelho!... 

Cruz e Sousa
Broquéis

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Top
Sobre | Termos de Uso | Política de Cookies | Política de Privacidade