sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Poema Velhas Tristezas

Poema Velhas Tristezas de João da Cruz e Sousa. É certo que encontram-se muitas referências à cor branca, assim como à transparência, à translucidez, à nebulosidade e aos brilhos, e a muitas outras cores, todas sempre presentes em seus verso (Wikipedia)
Poema Velhas Tristezas



VELHAS TRISTEZAS


 Diluências de luz, velhas tristezas
 Das almas que morreram para a luta!
 Sois as sombras amadas de belezas
 Hoje mais frias do que a pedra bruta.

 Murmúrios incógnitos de gruta
 Onde o Mar canta os salmos e as rudezas
 De obscuras religiões - voz impoluta
 De todas as titânicas grandezas.

 Passai, lembrando as sensações antigas,
 Paixões que foram já dóceis amigas,
 Na luz de eternos sóis glorificadas.

 Alegrias de há tempos! E hoje e agora,
 Velhas tristezas que se vão embora
 No poente da Saudade amortalhadas!... 



Cruz e Sousa
Broquéis




Por Literatura em Série

Veja também:


Compartilhe nas Redes Sociais!
compartilhe compartilhe compartilhe compartilhe


Observação:
Ressalvados os casos indicados ao contrário, as obras aqui publicadas tem como fonte material em Domínio Público, sendo obras livres em razão de alguma das hipóteses previstas na Lei de Direitos Autorais Lei Federal nº 9.610/98. Busca-se preservar ao máximo a grafia original. Para mais informações confira os Termos de Uso.


Blog especializado em Literatura com fins educativos. Principais temas abordados: literatura universal, literatura nacional, escritores, poemas literarios, livros e autores da literatura brasileira. Sugerido para elaboração de resumo e resenha.

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.