terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Beleza Morta, de Cruz e Sousa



Beleza Morta, de Cruz e Sousa. No aspecto de influências do simbolismo,[6] nota-se uma amálgama que conflui águas do satanismo de Charles Baudelaire ao espiritualismo (Wikipedia)


Beleza Morta, de Cruz e Sousa




BELEZA MORTA


 De leve, louro e enlanguescido helianto
 Tens a flórea dolência contristada...
 Há no teu riso amargo um certo encanto
 De antiga formosura destronada.

 No corpo, de um letárgico quebranto,
 Corpo de essência fina, delicada,
 Sente-se ainda o harmonioso canto
 Da carne virginal, clara e rosada.

 Sente-se o canto errante, as harmonias
 Quase apagadas, vagas, fugidias
 E uns restos de clarão de Estrela acesa...

 Como que ainda os derradeiros haustos
 De opulências, de pompas e de faustos,
 As relíquias saudosas da beleza


Cruz e Sousa
Broquéis


Por Literatura em Série

Veja também:


Compartilhe nas Redes Sociais!
compartilhe compartilhe compartilhe compartilhe


Observação:
Ressalvados os casos indicados ao contrário, as obras aqui publicadas tem como fonte material em Domínio Público, sendo obras livres em razão de alguma das hipóteses previstas na Lei de Direitos Autorais Lei Federal nº 9.610/98. Busca-se preservar ao máximo a grafia original. Para mais informações confira os Termos de Uso.


Blog especializado em Literatura com fins educativos. Principais temas abordados: literatura universal, literatura nacional, escritores, poemas literarios, livros e autores da literatura brasileira. Sugerido para elaboração de resumo e resenha.

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.