terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Cristo de Bronze


Cristo de Bronze, de Cruz e Sousa. Seus poemas são marcados pela musicalidade (uso constante de aliterações), pelo individualismo, pelo sensualismo, às vezes pelo desespero, às vezes pelo apaziguamento (Wikipedia).
Cristo de Bronze


CRISTO DE BRONZE


 Ó Cristos de ouro, de marfim, de prata,
 Cristos ideais, serenos, luminosos,
 Ensangüentados Cristos dolorosos
 Cuja cabeça a Dor e a Luz retrata.

 Ó Cristos de altivez intemerata,
 Ó Cristos de metais estrepitosos 
 Que gritam como os tigres venenosos
 Do desejo carnal que enerva e mata.

 Cristos de pedra, de madeira e barro...
 Ó Cristo humano, estético, bizarro,
 Amortalhado nas fatais injúrias...

 Na rija cruz aspérrima pregado
 Canta o Cristo de bronze do Pecado,
 Ri o Cristo de bronze das luxúrias!... 


Cruz e Sousa

Broquéis


Por Literatura em Série

Veja também:


Compartilhe nas Redes Sociais!
compartilhe compartilhe compartilhe compartilhe


Observação:
Ressalvados os casos indicados ao contrário, as obras aqui publicadas tem como fonte material em Domínio Público, sendo obras livres em razão de alguma das hipóteses previstas na Lei de Direitos Autorais Lei Federal nº 9.610/98. Busca-se preservar ao máximo a grafia original. Para mais informações confira os Termos de Uso.


Blog especializado em Literatura com fins educativos. Principais temas abordados: literatura universal, literatura nacional, escritores, poemas literarios, livros e autores da literatura brasileira. Sugerido para elaboração de resumo e resenha.

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.