sábado, 24 de fevereiro de 2018

Poema Encarnação, de Cruz e Sousa

Poema Encarnação, de Cruz e Sousa. Segundo o site Wikipedia No aspecto de influências do simbolismo, nota-se uma amálgama que conflui águas do satanismo de Charles Baudelaire ao espiritualismo (e dentro desse, ideias budistas e espíritas) ligados tanto a tendências estéticas vigentes como as fases na vida do autor.


Poema Encarnação, de Cruz e Sousa





ENCARNAÇÃO


 Carnais, sejam carnais tantos desejos,
 Carnais, sejam carnais tantos anseios,
 Palpitações e frêmitos e enleios,
 Das harpas da emoção tantos arpejos...

 Sonhos, que vão, por trêmulos adejos,
 À noite, ao luar, intumescer os seios
 Lácteos, de finos e azulados veios
 De virgindade, de pudor, de pejos...

 Sejam carnais todos os sonhos brumos
 De estranhos, vagos, estrelados rumos
 Onde as Visões do amor dormem geladas...

 Sonhos, palpitações, desejos e ânsias
 Formem, com claridades e fragrâncias,
 A encarnação das lívidas Amadas!


Cruz e Sousa
Broquéis


Por Literatura em Série

Veja também:


Compartilhe nas Redes Sociais!
compartilhe compartilhe compartilhe compartilhe


Observação:
Ressalvados os casos indicados ao contrário, as obras aqui publicadas tem como fonte material em Domínio Público, sendo obras livres em razão de alguma das hipóteses previstas na Lei de Direitos Autorais Lei Federal nº 9.610/98. Busca-se preservar ao máximo a grafia original. Para mais informações confira os Termos de Uso.


Blog especializado em Literatura com fins educativos. Principais temas abordados: literatura universal, literatura nacional, escritores, poemas literarios, livros e autores da literatura brasileira. Sugerido para elaboração de resumo e resenha.

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.