quinta-feira, 26 de abril de 2018

Os Alerquins, de Machado de Assis.

Os Alerquins, de Machado de Assis.  foi um escritor brasileiro, considerado por muitos críticos, estudiosos, escritores e leitores um dos maiores senão o maior nome da literatura do Brasil

Os Alerquins, de Machado de Assis.

OS ARLEQUINS

SÁTIRA

(1864)

 Que deviendras dans l’éternité l’âme d’un
 homme qui a fait Polichinelle toute sa vie?
 M.ME DE STAEL

 Musa, depõe a lira!
Cantos de amor, cantos de glória esquece!
 Novo assunto aparece
Que o gênio move e a indignação inspira.
 Esta esfera é mais vasta,
E vence a letra nova a letra antiga!
 Musa, toma a vergasta,
 E os arlequins fustiga!

 Como aos olhos de Roma,
— Cadáver do que foi, pávido império
 De Caio e de Tibério, —
O filho de Agripina ousado assoma;
 E a lira sobraçando,
Ante o povo idiota e amedrontado,
 Pedia, ameaçando,
 O aplauso acostumado;

 E o povo que beijava
Outrora ao deus Calígula o vestido,
 De novo submetido
Ao régio saltimbanco o aplauso dava.
 E tu, tu não te abrias,
Ó céu de Roma, à cena degradante!
 E tu, tu não caías,
 Ó raio chamejante!

 Tal na história que passa
Neste de luzes século famoso,
 O engenho portentoso
Sabe iludir a néscia populaça;
 Não busca o mal tecido
Canto de outrora; a moderna insolência
 Não encanta o ouvido,
 Fascina a consciência!

 Vede; o aspecto vistoso,
O olhar seguro, altivo e penetrante,
 E certo ar arrogante
Que impõe com aparências de assombroso;
 Não vacila, não tomba, 
Caminha sobre a corda firme e alerta:
 Tem consigo a maromba
 E a ovação é certa.

 Tamanha gentileza,
Tal segurança, ostentação tão grande,
 A multidão expande
Com ares de legítima grandeza.
 O gosto pervertido
Acha o sublime neste abatimento,
 E dá-lhe agradecido
 O louro e o monumento.

 Do saber, da virtude,
Logra fazer, em prêmio dos trabalhos,
 Um manto de retalhos
Que a consciência universal ilude.
 Não cora, não se peja
Do papel, nem da máscara indecente,
 E ainda inspira inveja
 Esta glória insolente!

 Não são contrastes novos;
Já vem de longe; e de remotos dias
 Tornam em cinzas frias
O amor da pátria e as ilusões dos povos.
 Torpe ambição sem peias
De mocidade em mocidade corre,
 E o culto das idéias
 Treme, convulsa e morre.

 Que sonho apetecido
Leva o ânimo vil a tais empresas?
 O sonho das baixezas:
Um fumo que se esvai e um vão ruído;
 Uma sombra ilusória
Que a turba adora ignorante e rude;
 E a esta infausta glória
 Imola-se a virtude.

 A tão estranha liça
Chega a hora por fim do encerramento,
 E lá soa o momento
Em que reluz a espada da justiça.
 Então, musa da história,
Abres o grande livro, e sem detença
 À envilecida glória
 Fulminas a sentença. 

Machado de Assis
Crisálidas



Notas do autor.  Esta poesia foi recitada no Clube Fluminense, num sarau literário. Pareceu então que eu fazia sátira pessoal. Não fiz. A sátira abrange uma classe que se encontra em todas as cenas políticas, — é a classe daqueles que, como se exprime um escritor, depois de darem ao povo todas as insígnias da realeza, quiseram completar-lha, fazendo-se eles próprios os bobos do povo. 

Por Literatura em Série

Veja também:


Compartilhe nas Redes Sociais!
compartilhe compartilhe compartilhe compartilhe


Observação:
Ressalvados os casos indicados ao contrário, as obras aqui publicadas tem como fonte material em Domínio Público, sendo obras livres em razão de alguma das hipóteses previstas na Lei de Direitos Autorais Lei Federal nº 9.610/98. Busca-se preservar ao máximo a grafia original. Para mais informações confira os Termos de Uso.


Blog especializado em Literatura com fins educativos. Principais temas abordados: literatura universal, literatura nacional, escritores, poemas literarios, livros e autores da literatura brasileira. Sugerido para elaboração de resumo e resenha.

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.